Horta caseira e pintura sustentável

Horta caseira e pintura sustentável

Iniciativas simples e econômicas têm feito a diferença nas cidades maranhenses de Açailândia, Alto Alegre do Pindaré, Bom Jesus das Selvas, Buriticupu  e Santa Rita: a pintura sustentável e permacultura.

A primeira consiste no uso de terra como matéria-prima na produção de tinta para pintura. Já a permacultura, estimula que as pessoas tenham hortas caseiras.

As populações dessas comunidades, vizinhas às operações da Vale no Maranhão, estão aprendendo as técnicas nos projetos ‘Nos Trilhos do Desenvolvimento’ e ‘Casa Saudável’, parcerias da Fundação Vale com o Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento (CPCD). As iniciativas têm como objetivo promover a formação e multiplicação de educadores sociais nas comunidades e, com isso, contribuir para melhoria da qualidade de vida da população local.

Pintura Sustentável

Usada para incentivar os participantes a tornarem a comunidade um ambiente mais agradável, a ação consiste em ensinar técnicas de produção de tinta, utilizando a terra como matéria-prima na pintura de casas. Para aprender sobre o preparo, em 2013, mais de 20 mil mulheres das comunidades de Bom Jesus das Selvas e Nova Vida, vizinhas da Estrada de Ferro Carajás, participaram da Oficina de Tinta da Terra. O grupo, assim como nas demais cidades, vem multiplicando tais ações, ensinando os demais membros da comunidade.

Permacultura

A ação estimula os participantes a manterem uma horta permanente no próprio quintal, cultivando alimentos com alta eficiência e com o mínimo de impacto ambiental. Para isso, o projeto discute valores, como segurança alimentar, cuidados com o quintal e meio ambiente. Com a iniciativa, os moradores aprendem a cultivar o próprio alimento e passam a ser multiplicadores das técnicas para outros membros da comunidade. Na ação, os envolvidos ainda têm a oportunidade de compartilhar a produção excedente, sem realizar nenhum tipo de desperdício.

Fonte: Vale

Deixe uma resposta

Fechar Menu