Projeto Casa Saudável na Vila Pindaré

A segunda fase do Projeto Casa Saudável na Vila Pindaré em Buriticupu inicia-se com a oficina do Banheiro seco compostável.

Ao longo desses meses de implementação o projeto tem promovido experiências que valorizam os saberes da comunidade, tem buscado incentivar e divulgar o uso de tecnologias socioambientais, cujo objetivo principal é o de fomentar uma outra relação com o lugar onde vivemos – mais harmônica e integrativa.

Já é possível perceber que a comunidade está impactada positivamente pela construção das caixas e, isso se evidencia no interesse e na curiosidade pelo Banheiro, que com certeza, focaliza o maior problema social da Vila Pindaré:  Oitenta por cento dos quintais não tem banheiro. As pessoas, principalmente as crianças, convivem com dejetos a céu aberto ou enterrados no quintal sem nenhum cuidado, dividindo espaço com animais e cisternas/poços que abastecem a casa.

Iniciamos nossa primeira oficina de banheiro no dia 24 de março. 25 pessoas se inscreveram para aprender a construir o banheiro, sendo oito mulheres e a grande maioria do grupo jovem. Outra observação é que a maioria dos inscritos recebeu a caixa e faz parte do projeto, apenas 3 não receberam.
Dessa turma selecionaremos a equipe que assumirá a replicação dos banheiros na comunidade.

A oficina é pratica e ao mesmo tempo que experimentamos o modelo ideal para a Vila, construiremos os primeiros banheiros.

A rua escolhida foi a Planalto, onde tem casa próximas – todas já com caixa dágua, A primeira casa é a de Dona Luísa, o critério foi o interesse em ser o primeiro e as condições favoráveis do quintal, com espaço bastante para receber muitos aprendizes.

Escolhemos trabalhar na construção de um banheiro seco, buscando agregar num mesmo sistema diversas perspectivas ambientalmente justas e inteligentes.

O banheiro Consiste em um sistema com duas câmaras, acima do nível do solo, voltada para a face norte (face do sol). O processo de utilização é muito simples: a decomposição se dá com altas temperaturas (entre 37°C e 70°C), e a partir do acréscimo de uma pequena porção/ medida de serragem ( sempre que for utilizado) para o processo de compostagem.

Após 6 meses substitui-se a câmara que ficará por mais 6 meses ao sol, só então poderá ser aberta e o material utilizado como adubo.

 Na estrutura do banheiro seco utilizaremos algumas técnicas de Bioconstrução como a Taipa, já de domínio da comunidade, porem com tecnologias mais elaboradas que garantirão melhor estética e mais durabilidade

O modelo trabalhado na oficina apresenta como vantagens a não utilização de água, fácil execução e manutenção, sem odores, não polui e não apresenta riscos a saúde, evitando o lançamento de dejetos na quintal, como a maioria das pessoas fazem. Além do que auxiliará na produção de composto orgânico para nossos cultivos.
Através do banheiro seco, é possível ainda ensinar o método cíclico da natureza, onde nenhum recurso pode ser desperdiçado.

OBS:

O Projeto Casa Saudável é uma parceria entre a Fundação Vale, o Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento – CPCD, Secretária de Estado de Saúde do Maranhão e a Prefeitura Municipal de Buriticupu. Teve início em agosto de 2013 e acontece na Vila Pindaré – comunidade assentamento do município de Buriticupu.

Fonte: Blog Jô Fernandes

Publicações recentes

O CPCD é uma das 13 ONGs apoiadas pelo Burger King por meio do Movimento Arredondar, uma ONG que apoia outras ONGs coletando microdoações por meio do arredondamento de centavos do troco no varejo e no e-commerce.

Logo Arredondar e BurgueKing